Burnout

O trabalho tem sido a causa de estresse e de muitos problemas dos indivíduos, embora esta fonte de esgotamento nem sempre seja percebida pelos mesmos.

O excesso de obrigações e tarefas diárias a serem cumpridas, somado ao ambiente extremamente competitivo, o qual impõe uma necessidade de o trabalhador ser o melhor em sua área, dentre diversas outras situações, tem adoecido homens e mulheres, das mais diversas faixas etárias.

Burnout

A complexidade de sintomas surgidos de uma síndrome relacionada ao trabalho, dá-se o nome de Burnout. A seguir, saiba tudo sobre ela:

Afinal, o que é a síndrome de Burnout?

Trata-se de uma série de sintomas, psicológicos e físicos, desencadeados pelo ambiente (quase sempre “doentio”) de trabalho.

Além disso, são potenciais causas a presença de conflitos na empresa, metas a serem cumpridas, responsabilidade demasiada (inclusive emocional) e excesso de horas trabalhadas diariamente.

É muito comum que os trabalhadores experimentem sentimentos de inferioridade, esgotamento, incapacidade, dentre diversos outros. A clínica pode variar de indivíduo para indivíduo, e será discutida com mais detalhes a seguir.

Quais são os sintomas?

As dores de cabeça são queixas frequentes dos indivíduos com a síndrome de Burnout, e tendem a piorar no final do dia ou mesmo em situações de estresse.

O cansaço crônico, mesmo após o final de semana e/ou longos períodos de descanso pode ser percebido, e muitas vezes é relacionado pelo paciente a outras situações – como ao excesso de tarefas, má alimentação, sedentarismo, problemas no casamento, etc.

Além disso, as alterações do sono são percebidas, e em geral, a insônia é o mais comum – isto é, trata-se da dificuldade em manter uma noite de sono sem que ocorram interrupções.

Mas, estes não são os únicos sintomas, os trabalhadores também precisam ficar atentos a outros sinais:

  • Tendência ao isolamento, tanto no grupo de trabalho como também familiar e entre amigos;
  • Falta de vontade de sair de casa;
  • Sentimento de derrota;
  • Ausência de perspectivas ou crescimento;
  • Mudanças constantes de humor, percebidas por quem está por perto;
  • Dificuldade de concentração e também para realizar as atividades diárias;
  • Dores musculares;
  • Alterações de hábitos intestinais – podendo ter prisão de ventre e/ou diarreias;
  • Sensação de aumento dos batimentos cardíacos;

Burnout

Quem pode ter Burnout?

De uma forma geral, pode-se dizer que todos os profissionais estão sobre o risco de desenvolver a síndrome de Burnout.

Alguns estudos e pesquisar mostraram, recentemente, que algumas profissões são mais suscetíveis, como policiais, bombeiros, médicos, operadores de telemarketing, pilotos, cuidadores, e outros.

Sendo assim, todas as profissões merecem atenção e cuidado psicológicos, visando à prevenção da síndrome.

Tratamento de Burnout

A síndrome de Burnout precisa ser reconhecida como uma patologia que acomete a mente, e assim como todas as doenças do organismo, merece tratamento e cuidados médicos.

O diagnóstico é feito por médicos, em alguns casos requer-se o apoio do especialista, que é o psiquiatra, principalmente para diferenciar de outras doenças, como depressão.

O tratamento é feito a partir da retirada do fator estressor, bem como com mudanças de hábitos de vida. Para isso, deve-se:

  • Priorizar momentos de lazer;
  • Respeitar o período de férias, sem vendê-las ou ocupá-las com outras atividades laborais;
  • Investir na higiene do sono;
  • Evitar consumo de álcool;
  • Praticar atividades que tragam prazer;

Também, cabe ao médico decidir se há necessidade do uso de medicamentos. A terapia com um psicólogo é uma excelente aliada, tanto para prevenir como tratar pacientes com síndrome de Burnout.

Se identificou ou conhece alguém que acha que pode se identificar? Então continue acompanhando o Blog da AJ & Oliveira Advogados Associados e não perca os demais artigos que virão da série Burnout!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário